Só quem pedala entende

| por Uyatã Rayra |

Dedico esse texto a Caetano, 
 para ver se ele toma vergonha e conserta a bicicleta dele. Só assim voltaremos a dar uns rolé.


Odeio andar de ônibus em Feira!

Essa frase pode até soar semelhante ao nome de alguma comunidade do Orkut, ou até mesmo título daqueles panfletos entregues por grupos organizados contra o alto preço do transporte público, entretanto não tenho Orkut nem tão pouco sou militante da esquerda.

Não me sinto bem em pagar um serviço que não corresponde a altura, causa-me repugnância a sensação do gasto desnecessário - é como se eu estivesse consentindo para que os outros apertassem minha mente, e ainda os pagassem para continuarem. Esse sentimento, com certeza, não me é solitário, e imagino a vastidão de indivíduos que se entristecerem diariamente por serem obrigados a pegar os ônibus horríveis da Sincol para se locomoverem.




Sempre me indaguei como é que alguns políticos de Feira se proclamam, em períodos eleitorais, defensores dos interesses do povo, e logo após “abrem as pernas” descaradamente para o empresariado da Sincol, quando este os propõe um aumento descomunal da tarifa. São uma corja de najas, que nem sequer estão propícios ao diálogo, e preferem enviar a polícia para agredir os que se manifestam contra o aumento da tal tarifa. Tais políticos não estão a serviço do povo, é óbvio: o palácio só mendiga para a plebe com o intuito de se eleger!  Entretanto, esforçar-me exageradamente, delatando os esquemas esdrúxulos da classe empresarial e dos políticos feirenses, gastará demasiadamente minhas energias. Prefiro apontar uma alternativa possível, e conclamo os leitores para que me sigam, caso queiram se aborrecer um pouco menos ... 
 


Fiz uma escolha sábia, faz dois anos! Decidi pela bicicleta! Hoje, não penso duas vezes quando quero ir para algum lugar, alforriei-me do desconforto diário!  Inúmeras são as vantagens ao fazer tal opção, e abaixo enumerarei algumas delas:

1. Não há tarifa de locomoção.
2. Não é necessário andar até o ponto.
3.  ”     ”       ”      esperar o transporte.
4.  ”     ”       ”      enfrentar filas quilométricas para comprar créditos.
5. Pedalar é um exercício físico.
6. O trânsito de bicicletas é permitido após a meia-noite.
7. Ciclistas driblam engarrafamentos.
8. A bicicleta não lota.
9.  ”      ”         ”  pára nos pontos.
10. ”     ”         ”  não expele fumaça.
11. A bicicleta chega antecipadamente ao destino.
12. Bicicletas não sofrem problemas elétricos.



Cada dia sem uma pedalada fica mais triste: é como se eu estivesse sedentário há um mês! Pedalar é autoterápico: analiso-me, diagnostico-me e saro-me. Contudo, minha mãe não me apóia - inúmeras vezes me disse que andar de bicicleta é perigoso - e prefere que eu seja infeliz andando de ônibus. Tenho que confessar que pedalar em Feira ainda não é totalmente seguro - não há ciclovias suficientes para que o ciclista possa se mover tranqüilo sem disputar a pista com os carros. O centro da nossa cidade é extremamente congestionado, possui pontos caóticos de obstrução – e a pior situação passam os usuários dos ônibus. A prefeitura atual tem até se esforçado em endireitar o trânsito, todavia é explícita a sua preferência pelo tráfego automotor. Sem dúvida, uma ciclovia ajudaria a amenizar a situação, pois ofereceria alternativas de mobilidade aos transeuntes, sem contar que garantiria a segurança de uma quantidade considerável de bicicleteiros em nossa cidade. Enfim, viver é inseguro, e ainda assim, prefiro a bicicleta!!

Pedalo pensando que poderíamos nos unir (eu e vocês leitores), e promover uma campanha: a DSS – Dia sem Sincol. O intuito dessa campanha seria boicotar por um dia os pútridos transportes da Sincol, utilizando qualquer meio de locomoção que não seja àqueles – preferencialmente uma bicicleta. É claro que não conseguiremos, com essa ação, falir a Sincol, por outro lado, mostraremos à cidade nosso poder de mobilização e descontentamento com o transporte público urbano. Ainda não pensei qual será o dia mais propício para o ato, até porque já sou adepto da campanha há muito tempo. Se vocês tiverem alguma proposição de data, estou a todo ouvidos ...



 

13 comentários:

12 de março de 2010 14:56 Jopatife disse...

Velho Uyatã! Depois da leitura me deu até vontade de comprar uma bicicleta!

13 de março de 2010 10:51 Eduardo Luedy disse...

Parabéns pelo texto. Só não entendi a afirmação de que "o trânsito de bicicletas é permitido após a meia-noite". Como assim?
Pedalo aqui em Salvador a qualquer hora do dia ou da noite. Está no Código Nacional de Trânsito, temos o direito de pedalar e de fazer uso de nossas bicicletas como veículos utilitários, ocupando, por direito, as pistas de rolamento.
Mas gostei muito texto. Boas pedaladas!

14 de março de 2010 09:42 Uyatã disse...

Jó, se vc comprar fará um grande bem a si!!!

14 de março de 2010 09:51 Uyatã disse...

Eduardo,

Grato!!
Quanto a sua dúvida, explicarei melhor agora. Quando afirmo que o trânsito de bicicletas é permitido após meia-noite estava tentando fazer um comparativo com os ônibus, que aqui em Feira não rodam após meia-noite!!
É issaê!! Até ...

15 de março de 2010 15:29 Paulo Moraes disse...

Uyatã

Gostei do seu texto, porém devo trazer algumas inquietações que ele me traz, pois isso não é só seu, mas a ação normal das pessoas: Buscar saídas individuais a problemas coletivos.
A sua comparação entre comunidades do Orkut e os Militantes de Esquerda é no minimo equivocada, pois de um lado é a saída individualizada, ou melhor apenas discurso, do outro lado estão que buscam saídas coletivas e é quem enfrenta os cacetes para tentar vencer o que não se vence no momento.
Depois coloca que pegar Onibus em Feira é problematico porque o serviço não condiz com o valor pago, logo é peciso uma saída. e ai outro questão perigosa, pois como as comunidades do Orkut você prega a saída individualizada e como essa fosse uma grande saida para todos e todas e meu caro amigo não é a saída e nunca será.
O Problema do Transporte em Feira, e é assim em todo lugar do país, é mais amplo que um serviço que não condiz ao preço. Talvez essa questão seja a central, mas está rodeada de varias outras e que a Bicicleta não resolve e muito menos ciclovias, essa saída é para os "verdes" que acham que é posivel preservar a natureza no capitalismo.
Me responda como um veiculo que caregga no maximo duas pessoas pode substituir outro que carrega 50? Entenda que não estou dizendo que o onibus em Feira hoje é bom, mas colocando a questão entre uma bicicleta e um onibus.
Como trazer os moradores dos distritos de bicicletas? os idosos? Não podemos responder a uma totalidade pensando exclusivamente numa experiencia individual.
Sei que muitas pessoas andam de bicicletas em Feira, mas não porque gostam e sim porque não a deixam andar num transporte público de massas com qualidade e de forma barata, não é preço justo, pois que diz que o preço é justo é o mercado e por esses tempos ele não está do nosso lado.
E para finalizar não me venha com propostas voluntaristas, elas não funcionam, não adianta clamar sem organização. Isso é alienação, é so ver as campanhas da Globo ou do Grupo Abril, de certa maneira, parece com esta sua de "um dia sem Sincol".
O que muda a vida é a Luta Coletiva e não ações individualizadas.

Abraços

15 de março de 2010 18:56 Uyatã disse...

Paulão!
Concordo com alguns tracejos seus!! Noutros penso que houve equívoco na sua interpretação!! Vamos lá:

-Não desejei comparar as comunidades do orkut com os militantes de esquerda, apenas disse que a primeira frase do texto parecia ou com título de comunidade de orkut, ou de panfleto. Não há nem como equiparar setores tão díspares!! Se assim soou, peço desculpas!

- Não condeno a ação de tais grupos, apenas não me insiro neles! Aliás, aponto eles como referencial de resistência, e rechaço a ação dos políticos que enviam a polícia, e se fecham ao diálogo!

- A problemática do ônibus não ficou restrita ao preço, e isso é evidente na listagem das 12 vantagens da bicicleta. No mínimo 8 dessas vantagens em andar de bicicleta fazem referência a outras apertações de mente ao pegar ônibus.

- Não disse que a ciclovia resolveria o problema! Indico que ela amenizaria uma situação que está dramática!

- Quanto aos distritos e idosos, acho que vc tem razão!

- E pra finalizar, não fui voluntarista!! Propus uma alternativa com teor lúdico, e que de modo algum seria individualizado, mas sim coletivo!!!Não a toa conclamo os leitores para que proponham. Acho que a minha proposta de modo algum seria a solução total para a questão do transpote público - afirmo até, que essa proposta não faliria a Sincol. Concordo com vc que há outras medidas a serem tomadas, todavia creio que não só a Luta Coletiva é capaz de modificar a situação.
A própria organização da Luta contra o transporte público vem sendo levada de forma "individualizada" e "voluntária"( vc mais do que ninguém sabe disso). Não há uma abrangência da discussão para a população - a discussão é restrita aos parcos grupos que se organizam - e tal fato fica ainda mais latente quando vislumbramos o poder de mobilização destes grupos, que há mais de 6 anos não conseguem aglomerar mais de 1000 pessoas no seu contigente.

Abraços

16 de março de 2010 05:10 Lutas No Sertão disse...

Uma critica necessária sobre o assunto onde 60% da população usam o transporte coletivo para se locomover.
Parabens Uyatã!
Pedro Henrique

16 de março de 2010 07:49 M. Correia disse...

"O que muda a vida é a Luta Coletiva e não ações individualizadas." (Paulão)

Aqui eu não entendi o que voce quer dizer por "vida".

16 de março de 2010 08:06 Acácia disse...

Acho que uma ação individual pode sim mobilizar uma ação social comunitária!
PARABÉNS Uiatã, pelo texto e pela iniciativa!

beeeijo

16 de março de 2010 11:13 Ana Paula Duarte disse...

Tou quase comprando uma bike, por "ns" motivos, dentre os quais seu texto encaixa...Odeio andar de buzu em Fsa!
Adorei seu texto, toda ação antes de ser coletiva, brotou de alguma atitude individual.
Parabenizo aos meninos que pelejam no sol, no vento, no dia ou na noite de bike em Feira.

17 de março de 2010 13:26 Raffael Barbosa disse...

Tou quase comprando uma bike²

Nao que a postagem se refira a isso explicitamente, mas essa semana descobri que aqui em Salvador, apenas uma empresa tem linha licitadas, que é a que opera na Estação Pirajá de forma majoritária (Barramar), as outras linhas são permissionais, isto é, as empresas são donas das linhas. Em Feira como é o processo?

Outra coisa... para cada ônibus rodando, um empresa de transporte deixa pelo menos três na garagem. (isso acontece aqui ).


Concordo com as assertivas de Uyatâ, mas devemos nos mobilizar para não ficarmos imoblizados urbanamente (como já ocorre em toda a Salvador) nos próximos 10 anos em Feira...

6 de maio de 2010 12:29 Davyd disse...

Show di Bola....
Vamos encher FSA de Bicicletas... rsrss
Boua alternatica....
Trasporte Público em FSA he uma "merda"!

20 de junho de 2010 17:12 gil disse...

Grande Bira!

Parabéns por mais um belo texto... com toda certeza expressou o sentimento de muitos de FSA e também de SSA. Uma ação local sempre pode gerar um movimento global não é verdade? assim, é claro que as ações individuais são muito válidas e pontos de partida para ações coletivas...

Um abraço

Postar um comentário