Apadrinhado por El Rey, Ronaldinho não precisa da imprensa


O jornalismo esportivo brasileiro, sobretudo o que vive de futebol, com exceção de meia dúzia de gênios (quase todos falecidos), é a prova cabal de que há mais imbecis no Brasil do que nos permite crê nossa vã ideologia.

Como um ritual de autoflagelo, percorro os canais abertos da televisão brasileira na altura do meio-dia com meu suculento almoço fumegando no prato sobre a almofada do sofá. De um programa a outro, vejo e me contorço com as asneiras que são destiladas em cadeia nacional por asnos como Ulisses Costa, Doutor Osmar, Tino Marcos e Escobar. Os que podem, pelo auxílio luxuoso do dinheiro, pagar uma tevê a cabo, terão um ou outro privilégio (como Juca Kfouri ou Paulo Vinícius Coelho, vá lá o Trajano), mas nada que justifique a mensalidade salgada  - só a centena de jogos justificam. 


Apenas o Cartão Verde, que vai ao ar às quintas (22hrs) pela quase sempre excelente TV Cultura, vale a pena assistir na íntegra. Também, a mesa é composta por Sócrates, Xico Sá, e outros bons comentaristas. Sócrates é um estilista. Só perde para Tostão. E a irreverência de Xico Sá diverte, “desinstitucionaliza” o futebol. Já o vi parar uma enérgica discussão acerca de Dunga e a amarelinha, para noticiar que certo time recôndito do interior de Pernambuco, então disputando o estadual série b, marcara um gol de empate em determinada partida. “Gol, porra!”. Como não achá-lo gênio?

Mas eu escrevi tudo isso e ainda não cheguei ao ponto: Ronaldinho Gaúcho, Dunga, a Copa e a imprensa. 


Antes vilão, hoje herói, o Gaúcho virou fetiche da imprensa, que está aproveitando a situação para testar até que ponto pode “formar opinião”, ou melhor, mudar a opinião de Dunga. Sou terminantemente contra esta campanha pró Ronaldinho. Esta maneira excessiva de cobrar sua convocação só o distanciará cada vez mais da Copa, ao contrário do que pensam os sábios comentaristas brasileiros, os filósofos da bola.

E por que distanciará o Gaúcho da Copa? Ora, é sabido o jeito intransigente que nosso mentecapto treinador lida com a imprensa. Se esta diz “é branco”, ele vem e diz “não, é abóbora e vai ser abóbora até quando eu quiser, vocês não vão me fazer errar”. A sensação que a imprensa causa em Dunga é a de levá-lo invariavelmente à derrocada, à escolha equivocada. Não há meio termo. Quanto mais a imprensa (Ulisses Costa, Doutor Osmar, Neto...) bradar a favor de Ronaldinho, mais Dunga teimará em não ver as reais boas atuações do jogador no campeonato italiano (são muitas, algumas irregulares) e em certa medida na Champions League - aqui precisamos atentar para o fato dele ter jogado praticamente sozinho contra o Manchester United. No jogo de volta, quando o Milan perdeu por quatro a zero em Manchester, não havia nenhum outro jogador com a camisa do rossonero exceto o Gaúcho. Alguém aí viu mais algum? Seedorf apareceu de repente no segundo tempo, mas naturalmente não adiantou. O placar já estava encaminhado.

Proponho que a imprensa se cale (se fosse para sempre, seria o ideal) e que o Gaúcho continue jogando a bola que tem jogado. Isto apenas o garantirá entre os convocados, creio. Não há segredos. Sabemos que por mais que Dunga seja turrão, Ronaldinho goza de prestígio com El Rey Dom Ricardo Texeira, O Esconso, grão mestre, godfather dos gramados tupiniquins. E, no fundo, quem manda é ele, né?, nós sabemos. Pelos menos até que um destemido forasteiro aplique-lhe um punhal de sete polegadas na altura do pulmão.


Apadrinhado por El Rey, e ainda de quebra garoto propaganda da Nike, jogando bem, Dunga não teria argumento para não levá-lo.

Diria até, entre um pigarro e outro, que a sua seleção melhorou bastante quando moldou o esquema tático exclusivamente em torno de Kaká (seu camisa 10), permitindo que este saia com velocidade e campo de sobra para munir Luis Fabiano e Robinho, e mostrando que foi dessa forma que abateu gigantes como a Argentina (em Rosário, não se esqueçam) e a Itália, ambos pelo musical placar de três tentos. Além, é claro, da fantástica virada contra os States na final da Copa das Confederações.

Mas Kaká não está bem em seu clube e muito provavelmente precisará de um substituto à altura.

Então El Rey poderá redargüir calmamente, com toda empáfia que quiser, degustando seu charuto cubano: “Dunga, meu bom rapaz, o Ronaldinho pode tanto fazer a função de Kaká quanto a de um segundo atacante, nesse caso a função de Robinho, que também não vem jogando lá muita bola, embora você goste do menino. E Ronaldinho é um gênio, você sabe. Nós dois sabemos. De repente ele faz uma Copa sublime. Não seria demasiado arriscado deixá-lo de fora? Quem levar? Kleberson? Não, por favor, não.”


Dunga, resignado, de orelhas pensas, desabaria frente ao óbvio: Ronaldinho precisa ir à Copa. A dificuldade toda está na imprensa: na cabeça de Dunga, ela só induz ao erro.

Penso que Dunga às vezes escreve certo por linhas tortas. Se a imprensa induz ao erro ou não, vai saber, mas o fato é que ela induz o bom torcedor à burrice. Não é possível que não haja nenhuma conexão.

6 comentários:

16 de março de 2010 13:05 Raíssa Caldas disse...

Certa uma amiga que me disse que você escreve bem! Eu não tenho muita afinidade com futebol pra comentar mais sobre o seu texto, achei ele muito bom.

16 de março de 2010 13:35 Rodrigo D. disse...

Acho que o mais sensato nesse tema foi o Zagallo. Quando perguntaram se Dunga devia levar o Gaúcho, o único "tetracampeão do mundo" disse que não e explicou seus motivos: Ronaldinho provavelmente não irá substituir Kaká à altura — e, considerando que esta é a justificativa encontrada pela imprensa, concordo com o Zagallo. Ronaldinho não joga no meio-campo. A única partida recente na qual fez isso foi essa em que o time tomou de 4 a 0 e foi destroçado pelo Manchester. Pondero: não há nenhuma seleção melhor ou do nível do Manchester, assim como o Brasil não é tão ruim quanto o Milan, mas ainda assim é muito pouco, o Ronaldinho está claramente interessado em concentrar seu jogo ali pela ponta-esquerda. Eu entenderia o clamor da imprensa se o pedido fosse pelo Ronaldinho e outro meia — ou apenas por outro meia. Mas está claro que a campanha pelo cara tem pouco a ver com futebol, é mais uma forma de encher o saco de Dunga. Ele merece o tratamento que tem.

16 de março de 2010 14:36 ggffarias disse...

Acho que a pergunta é: Ronaldinho Gaúcho vai à Copa ser reserva? Acho até que ele vai ao Mundial, e Eder expôs os motivos: Ricardo Teixeira + Nike, tem motivo melhor? Acho que isso é garantido, fosse por Dunga, que já tomou banho de cuia e tabacada do dentuço ainda moleque num grenal, ele nunca mais vestiria a amarelinha, mas como quem manda na seleção é o símbolo que fica do lado direito do peito no uniforme... Vaga assegurada, Ronaldinho gaúcho vai fazer o que na Copa? jogar no meio campo ao lado de Kaká, impossível (lembrem-se Dunga é o terinador 3 volantes é o mínimo); ser reserva de Kaká, Ronaldinho Gaúcho no meio campo jogou bem pela última vez em 2002; fazer dupla de ataque com Luiz Fabiano, impossível (Robinho pra dunga é mais titular que Kaká); ser reserva de Robinho, parece que seria o mais provável, mas será que o Gaúcho toparia ser reserva? e quem Dunga sacaria Nilmar ou o Imperador (que vem sendo detonado pela imprensa nos últimos dias)? acho que R.G. vai à Copa, mas fazer o quê?
Ah, também acho q o gaúcho deve ir à copa, posso não saber pra quê... mas levar Josué, Kleberson, Julio Baptista, e não levar Ronaldinho Gaúcho é retranca demais!

16 de março de 2010 15:57 Paulo Moraes disse...

Eu não comento nada sobre esta seleção, só digo uma coisa, 66 irá se repetir.

18 de março de 2010 09:41 murillocamposp disse...

"e mostrando que foi dessa forma que abateu gigantes como a Argentina (em Rosário Central, não se esqueçam"


lembrando que Rosário Central é o nome do Time da cidade. o nome da cidade é apenas Rosário.

19 de março de 2010 20:53 Marcos disse...

Mas que a imprensa, ás vezes, deixa qualquer treinador desorientado é verdade. Se brincar a turma da Band leva o time inteiro do Santos pra copa...

Postar um comentário