Conto Não-conto Angústia: Parte II


Sou o senhor do seu tempo
por Calçada



Não há felicidade ou melhor para que vocês não me achem um frustrado que se utiliza do drama para chamar a atenção não é isto. !Pra mim não existe felicidade nem momentânea! Muito menos o estado dos tolos que sempre são felizes; não sinto o que esta palavra quer dizer em qualquer língua que seja. Definição de felicidade de um dicionário qualquer que tenho agora em mãos “1.Qualidade ou estado de feliz; ventura; contentamento. 2.sucesso; êxito.”

Nenhum desses termos se aplica ao estado deste ser que vos fala, sou desprovido da qualidade de feliz (de volta ao chulo dicionário “feliz: 1. Ditoso; venturoso. 2. Alegre; contente. 3. Bem-sucedido.”) não que eu seja o oposto apenas não sinto nada disso. !Não sou azarado ou triste! 


Mas não é sobre isso que quero falar com vocês comecei pela “felicidade” pois é a ela que se destina a humanidade. !Se não fosse a ela qual motivo se teria para se viver nesta busca incessante! !O melhor seria ficarmos inertes sem esperar nada apenas parados todos a humanidade inteira parada! Como não é isto que acontece realmente somos predestinados a ser feliz ?qual felicidade? ?A de quem manda?

Voltemos ao meu caso não tenho a qualidade de feliz e nunca me encontrei no estado de felicidade. Só se o choro inocente que bradei quando vim ao mundo era de felicidade o que eu duvido muito. Algumas pessoas choram de felicidade eu acho que este não é o caso.  

Ventura nem sei o que é isso se tiver alguma relação com sorte 

não tenho !Nem azar! Não acredito em nenhuma destas palavras ou no significado delas. 








Dinheiro não tenho sou um homem filho de um Deus que não sei quem é resultado lógico somos todos filhos de puta. !pois ser filho de um pai que ninguém sabe ao certo quem é! Significa...


Sou parte da humanidade o que tem pouco significado o dinheiro que ganho é suficiente pra me sentir assim !“Homem Digno”!

A falta de dinheiro gera um ambiente nebuloso de temor  insegurança desconfiança. E surge a pergunta ?o que é ser um ser humano?

“Não conheço meu vizinho mas acho que ele tem inveja de mim me olha sempre de canto de olho parece desconfiado. Mas eu nunca lhe dei um bom dia talvez alguma vez eu tenha dado  não lembro. Mas ele é um negro forte que me põe medo eu sou barrigudo e baixo branco sedentário ?e se ele quiser me fazer mal o que é que eu posso fazer? !sou covarde! O melhor é manter distância de todos não preciso de ninguém ou melhor preciso de alguns poucos “alguéns”.” Ouvi isso...

Tô enrolando vocês mas não sei realmente como começar por onde começar não encontro o começo nem o fim muito menos o meio, é algo que apenas é ou está não teve um começo é com sonhar não sei !é um mundo em minha cabeça! Queria um fato que me ajudasse a destrancar esta história não consigo. – Deixem eu respirar um pouco, esta falta de ar... – Bem, acho que o melhor é dizer sobre o que vou falar talvez ajude a desembestar minhas idéias que na minha cabeça se embaralham como um estouro de uma boiada; uma grande confusão desordem cada idéia cada vazio de idéia seguindo em todas as direções batendo os chifres derrubando os bezerros e não há vaqueiro que segure.

 É sobre ser o Medo.

!Tenho medo sinto! Eu Medo tenho medo de mim mesmo. 

Sinto medo medo sem motivo ?síndrome do pânico?!não! É muito Humano. 

Eu sou só medo nenhuma parte de mim está livre do medo. O medo é a minha identidade não tenho medo de nada deste mundo nem de outro mundo não tenho medo de nada pois eu sou o próprio Medo o medo que todos sentem sou eu. O Medo que abraça o mundo inteiro são meus braços materializados em carne e osso. Ando por aí como uma pessoa. Ou melhor estou por aí em todas as pessoas.

?De que é feito o Medo? ?De que matéria sou feito? O sangue que corre em minhas veias é um sangue que não esquenta faz a carne tremer o tempo inteiro imagine você, tente lembrar qual foi o maior medo que já sentiu ?como foi que você ficou? ?seu coração disparou? ?suas pernas tremeram? ?seu corpo todo tremeu? ?gaguejou? ?correu? !não teve sensação alguma! O que você sentiu sou eu uma de minhas formas é de uma dessas formas que me sinto quando estou acordado ou dormindo é a essência do que eu sou.

O Medo não é o que causa a sensação de medo o medo é a sensação materializada; é alguma parte do meu corpo que domina todo o mundo não há como se esconder de mim. !Fui humano!

O medo foi plantado e enramou por todo o meu corpo cérebro e principalmente a minha alma foi nela que ele floriu e frutifica criando em mim !as maiores verdades! ser o Medo é não ter medo é viver próximo da morte e ter por endereço o inferno ou melhor parte dele pertence a mim. Por isso hoje posso lhe garantir não há nenhum demônio sobre a face da terra estamos todos na parte que cabe a mim no inferno. Todos os diabinhos olham pra vocês de banda e cochicham sobre vocês pois eles sabem que viver sobre o mando do Medo é muito mais sofredor do que morar na parte fumegante que pertence aos anjos decaídos liderados por Lúcifer, o Revolucionário.   

!Este Medo! o meu Eu, impede que eu veja as cores que vocês vêem tudo pra mim é sombra penumbra tons de cinza espectro de cores esfumaçadas pelo tempo lembranças quase apagadas de tons verdes azuis vermelhos tudo que eu vejo tem a cor que as cores tem quando se está com medo !meu olhar é a indefinição! 
Fui ver o mar, há muito não o via, aquela imensidão cinza que sempre me faz tremer sentir-me bem até hoje gela o meu peito e mãos é a melhor metáfora para que vocês tenham noção do que sou. As pessoas vêem a imensidão do mar com admiração seus tons de verde e azul cores.

Beleza, é uma bobagem,  !não existe! É ilusão. !minha melhor ilusão!  





Olho no horizonte e o vejo imponente sem forma ou melhor se observarmos bem o mar têm formas as mais variadas. Todas as possíveis sensações de medo eu vejo olhando pro mar mas não sinto Sou frio.




O meu mar não é verde ou azul ele é o senhor da vida e da morte que se dirige com respeito à grande ave da perdição que é o seu melhor amigo. Ele caminha imponente numa velocidade que todos pensam que ele é uma grande massa de água e se dirige sempre ao encontro a grande massa negra que cobre todos nós !a ave da perdição! a quem chamam de céu e para onde vão os bons que são poucos pois sempre nos enterram ou nos jogam no grande mar. 

Não gosto do céu ou melhor da ave da perdição ela trás esperança a quem olha pra ela !por isso não olho pra cima! só a vejo no horizonte. Não sei como as pessoas se acostumam com a escuridão aterrorizante com que o céu nos envolve fico com os pés e as mãos frias só de pensar em olhar pra cima. 

E o mar esse gigante levantando seus tentáculos avermelhados rasgando a areia sombria na penumbra do sol no pico do meio dia este eu respeito apesar de não entender como uma pessoa tão distinta tem um relacionamento tão estreito com a ave da perdição. Adoro ver as pessoas serem engolidas por ele (a maioria volta) na praia ele só está brincando se divertindo.

Devem estar se perguntando por que resolvi falar, o Medo é sempre tão confuso poucas palavras ação e reação. 

Mas eu sonhei com o mar meio verde meio azul e o sol amarelo e o céu azul e era lindo se vê da areia branca como na televisão. Fiquei assustado e fui conferir mais lá estava meu amigo senhor da vida e da morte e a grande ave da perdição e todas as pessoas com medo buscando as mais variadas formas de fugir do medo. Ignorantes de sua condição pois não há o que se fazer mas tem que se dar sentido à vida.

De olhos fechados vejo manchas escuras e vermelhas vindo em direção a minha alma ou será minha alma se movimentando dentro do sombrio espaço do tempo. 

Vejo canais fininhos que levam um tipo de veneno a meus olhos que  cega quando eu os abro não vejo, sinto. 
De olhos fechados sou o Medo por isso gosto de dormi. De olhos fechados todo o mundo se senta em minha frente e ficam ali parados não dizem nada e nem precisam !eu sou seu senhor! !Medo! 

Mas de olhos abertos é estranho eu me vendo e me sentindo “como o Medo” em meio aos mortais que me dão vida.

!Eu sou o “Medo”! não o estado mas o medo como ele é e não como ele se apresenta ou age tenho medo mas quando tenho medo estou de olhos abertos e não estou me referindo a sentir medo estou dizendo que carrego o tempo inteiro dentro de mim o que eu sou.

A alma a nossa essência além da matéria !a transcendência humana! o que nos torna divino imortal como deus; só se pensa nela pensando que também de alguma maneira mesmo que recatada somos deuses. Eu penso em minha alma e vejo todo o medo divino ou o divino medo !de que não somos nada! a criação divina não é nada além de criaturas amedrontadas !por mim! ou de que vocês descubram que deus lhes tolheu a liberdade para que não se descobrisse que são filhos legítimos dele !ou mesmo que bastardos! mesmo assim são deuses por isso sou feliz até deus tem medo e depende de mim eu sou o Medo !deus tem medo e sente-me o tempo inteiro!

Não durmo sou a brisa, o ar, o medo que vaga por toda a noite em busca de não sei o que talvez companhia mas o medo é predestinado por ele mesmo !a ser sozinho! a se afastar ou ser afastado mas ele mora em mim como um assassino fugitivo que invade a casa de um covarde deita com sua mulher e ainda lhe ordena que tire suas botas e faça um belo jantar escutando os gemidos da esposa que depois de satisfeita reza e pede pra que aquele homem não vá mais embora ou se for preciso ir que mate e enterre seu marido. 

Assim mora o medo, sou o marido e a esposa. Sou sua casa.

Vivo muito feliz vejo o mundo um pouco diferente da maioria das pessoas. Sem medo pois vocês transformaram o mundo que criam diariamente em minha casa e hoje eu lhes faço de meu espelho. 

Fiquei curioso em saber como é viver no grande Império do Medo o senhor de seus caminhos. Quem permite ou não permite qualquer atitude de vocês sou eu !Eu sou o Medo! em carne e osso em cada um de vocês se querem paz o melhor lugar e mais próximo para encontrá-la é no inferno.

Não tenho adversário não há quem me desafie tudo esta como eu quero a terra é assim especial por causa de mim !o Medo! Eu sou o senhor de seu tempo de todos tempos possíveis !não há como mudar! Eis o império do medo vocês construíram pensando que alguém poderia me comandar nem o todo poderoso “seu deus” esta livre de mim. 

Sou inabalável !lhes apresento o Terror! a expressão externa da !alma do Medo! Todos estão condenados a viver comigo por todos os dias de suas vidas curtas ou longas, mais curtas que longas. !insignificantes  no tempo!

5 comentários:

29 de março de 2010 07:22 Lorena disse...

não temas, medo. não estás só. ainda. existirá quem se sujeite. até que um dia diga: basta. e se baste.

29 de março de 2010 07:35 Lorena disse...

não temo, mas respeito a imensidão do mar, "o mais ininteligível das existências não humanas". o mais, dentre as águas do mundo, que guarda há milênios o silêncio e os segredos de quem buscou (ou temeu) encarar frente a frente.

30 de março de 2010 05:12 Jaitan disse...

Sinistro e poetico esse texto, legal
O medo dar asas
vivi-se muito hoje numa tal felicidade padrão,
tumultuada.

nascemo para ter medo... pra afirmar que o medo é gênico (ou será transgenico?)

"Vivo muito feliz vejo o mundo um pouco diferente da maioria das pessoas." nessas suas palavras sr do Tempo vi o medo feliz e racional.

2 de abril de 2010 09:15 bigo disse...

Medo, inveja, tempo são coisas que caem. Conceitos nada mais são perante a sombra do Onipotente, nela se descansa e se constrói a eternidade. Gleissinho, de onde vem a inspiração? Nestes tempos desvendei todos os meus poemas, rasgou-se o véu do templo onde por tanto tempo meu entendimento foi obumbrado, hoje espero em Cristo a vida eterna...o vazio que lhe confunde o Medo e a autoridade que lhe foi dada já não me atingem, pois agora ando nos caminhos do Senhor. Não escreverei Deus com letra minúscula, não blasfemarei do seu Divino nome, pois hoje percebo que tudo ao meu redor nada mais é do que curteza de vistas, principalmente suas infinitas possibilidades(probabilidades como diz Uyatã) e suas múltiplas verdades, pra mim está tudo tão claro e sou FELIZ com letras maiúsculas, você também será com a graça de Deus. A arte contém o dom da revelação e somos instrumentos tanto de Deus como do Diabo. Vejo em seu texto ele(satanás,lúcifer, lux ferre, belial, baphomet, astharot, azazel, asmodeus, leviatã, quetzacolt, shiva, vishnu, brahma, o íniquo possui vários nomes para confundir, ou mesmo "Medo") se manifestando, mas cheguei até seu texto e tentarei, acredito que sem resultado(a não ser que Deus toque em seu coração), lhe mostrar. Não isente o diabo de seu texto, ele se configura como o "Medo" que você diz, mas esconde-se por art(e)ficios, o pai da mentira, o que enganou Fausto, o próprio Fausto, o que concede prêmios Nobel de Literatura(por sinal, o próprio Alfred Nobel não criou um Nobel de Economia, isso foi deturpado, interessante eu acho) quando você o exclui, a inspiração que ele lhe deu faz com que seu nome fique oculto, mas seu texto é negro, preenchido das coisas do mundo, passa temor, mas não atinge os que Deus já tomou o coração...podem rir, mas vocês verão e o Bem que existe em vocês os fará seguir só por um caminho, o do verdadeiro DEUS. "Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará" João 8:32.

31 de maio de 2010 11:26 Allan disse...

Realmente, um dos textos que abracei com os olhos, sem medo....
Belíssima relação.... fez das palavras brinquedos...

Postar um comentário