Registros Facebookianos...

|Por Gimerson Roque, dum status virtual, mas com perfil bem real|

Realmente não somos racistas! Não é com muita surpresa que recebo a noticia da eliminação do participante Daniel do BBB 12, após ter notado o tamanho da polêmica levantada por uma suposta cena, na qual o mesmo estaria sendo acusado de estuprar a Brother Monique, colega participante do programa. Cena essa ocorrida na madrugada do sábado para o domingo no amanhecer da primeira festa da edição em andamento. Logo o Daniel que no primeiro dia do programa interrogado pelo apresentador Pedro Bial sobre o sistema de ações afirmativas, a famigerada cotas, durante sua resposta soltou a tão conhecida e generalizante frase: “ debaixo da pele somos todos iguais, temos todos o sangue vermelho”.

Disso nós até sabemos como sabemos também da prática “não racista” da Rede Globo, a qual diariamente é demonstrada não só nas 12 edições do BBB, mas em toda sua grade de programação com a exibição de corpos belíssimos e “eurocêntricos”, basta lembrarmos as “gostosonas” e bonitões de outras edições, além da presença maciça nas telenovelas. Ou alguém ai se lembra de algum protagonista de novela negr@? A Preta de “Sete Pecados”, alguém deve ter gritado ai, e qual o outro mesmo? E galã de novela negro? Quem? O Lazaro Ramos e o outro mesmo? E de protagonistas brancos alguém lembra? E de galãs? Aposto que vieram vários nomes e sobrenomes em nossa mente. Com isso, não estou querendo defender uma atitude que se ocorrida deve ser averiguada conforme manda a Lei e julgada, ainda segundo a mesma, portanto, não seremos nós que a julgaremos.

Mas sim de “colocar o dedo na ferida” e dizer que embora o Ali Kamel (diretor executivo da emissora e nas horas vagas escritor) nos diga em seu paupérrimo livro “Não somos Racistas” e que o próprio Daniel considere que somos todos iguais debaixo da pele, não é bem assim que a banda toca no país tupiniquim. Na verdade somos racistas sim e temos vergonha de nos assumirmos como tal. Alguém já se perguntou que estando os dois em um reality show, no qual é permitido o consumo de droga (sim meus caros álcool é droga e mata) e que ambos estavam supostamente alcoolizados a culpa pelo acontecido pode ser tanto do Daniel, quanto da Monique? E por que só o Daniel foi eliminado do programa? Já sei deve ser porque ele é homem e deu uma de “miseravão”. Ou será simplesmente por ser negro! Ainda sobre a generalizante frase dita pelo Daniel.

A emissora o mostrou que nem todos são iguais, mesmo que tenhamos sangue vermelho, até porque não somos julgados pelo que há debaixo dela e sim o que há sob ela. E nesse caso a emissora “G” dá show de bola, pois da mesma forma que o ex-participante adentrou a casa foi colocado pra fora, ou seja, em seu devido lugar pelas portas dos fundos, local de saída reservado aos negros desde á época da Casa Grande e Da Senzala. E lembremos ainda falando novamente no Ali Kamel, e o que parece ser um pensamento comum dentro do Projac sobre as ações afirmativas: “Os negros brasileiros não precisam de favor. Precisam apenas de ter acesso a um ensino básico de qualidade, que lhes permita disputar de igual para igual com gente de toda cor”. (2006, p. 95). Portanto, meus car@s pensem em tudo isso, pois enquanto vejo bombardeios nas redes sociais com enunciados dizendo coisas do tipo: “BBbosta”, “deve acabar”, dentre outras, tudo isso para denotar não assistir o programa, e enquanto isso a Rede Globo está ai nos mostrando a realidade da nossa Sociedade Racista, ou será que a televisão não reflete sobre a Sociedade?!

Embora concorde que o programa é de péssimo gosto, mas fazer o que se o preconceito não tira férias, nem folga e está até mesmo nesses programas!! E volto a afirmar que se comprovado o fato deve sim o ex-participante sofrer as punições cabíveis, mas será que a atitude do BBB 12 em não ouvir o lado do Daniel e execrá-lo da forma que foi está errada! Se estupro é crime, racismo é o quê? Ou serei eu sempre o complexado vendo racismo em tudo?!

Gimerson Roque é estudante de Sociologia na UFRB

2 comentários:

18 de janeiro de 2012 08:53 Verena Cerqueira disse...

Ou serei eu a feminista vendo machismo em tudo?
Caro Gimerson,os fatos narrados e interpretados por você também chegaram a mim durante esta semana, não pela edição global, pois como negra assalariada me dou ao luxo de dispensar a aula de
preconceitos e exclusão dada pela emissora G nas edições diárias do seu menino dos olhos o BBB.E de toda a informação que me chegou, me sinto na OBRIGAÇÂO de chamar atenção para dois aspectos que parecem ter sido ignorados por esta sua análise:A primeira delas (que já guardo comigo a alguns anos) é: se Racismo existe( e eu como mulher negra sei bem disso)machismo também existe. E a segunda informação é: Me foi relatado que a edição que revelou o "não comprovado" abuso tratou o caso com a naturalidade de mais uma tórrida paixão revelada pelo confinamento, soube até que a tal edição teve seu grã finale coroado com o chavão: o amor é lindo, e que só após as muitas denuncias de telespectadores do payperview sobre a inconsciência dá até então amante, o caso foi tratado como violência. Com isso eu quero dizer que a globo é machista e não racista?
Não, com isso eu quero dizer que a globo como fiel representante do modo de vida dominante é racista, machista, elitista..mas nós, da margem, da periferia, do gueto não podemos deixar que a defesa de uma bandeira, a nossa vontade militante de flameja-la o mais auto e mais longe quanto se possa, derrube todos os outros mastros legitimamente levantados:Culpar uma mulher visivelmente desacordada de uma abuso que ela tenha sofrido é tão inadmissível quanto a discriminação de um negro por sua cor.

18 de janeiro de 2012 14:13 Orahcio disse...

Esse diretor do BBB fez uma jogada que deveria ser muito previsível para nós militantes. Tratar uma situação ocorrida por conta do machismo em nossa sociedade dizendo que é o racismo vindo a tona, essa foi a primeira defesa do Boninho quando questionado a respeito do assunto, que o Daniel estava sendo vítima de racismo. Engraçado que ninguém citava a palavra negro até então. Claramente tira o dele da reta colocando dois grupos desfavorecidos atualmente nessa nossa sociedade racista-machista-homofóbica para brigarem entre si.

Então tal debate acaba virando guerras entre torcidas, o pior é ver que movimentos sérios como o negro e feminista virarem tais torcidas por conta de um BBB.

Postar um comentário