Um lampejo, um líder...

|por Rafael Almeida|

Décima sexta rodada chega ao fim, Galo teve jogo de 6 pontos contra o Vasco e triunfou, abrindo uma vantagem de 4 pontos para o clube de São Januário e 3 em relação ao novo vice-líder, o Fluminense, que passou pelo Palmeiras. Vale lembrar que o clube mineiro tem 1 jogo a menos, então trata-se de uma vantagem expressiva. Hoje Ronaldinho teve um de seus lapsos, sendo o principal jogador do time mineiro, que alcançou sua 12ª vitória em 15 jogos, números que impõem respeito.

No momento existem 3 times brigando pelo título, o restante está muito longe para ser mencionado. Na briga pelo G-4 somente o Internacional (5º) se mantém na cola do grupo da frente, que é completado pelo Grêmio (4º). Lá em baixo nada de muito diferente, mas um ponto a se destacar é o Palmeiras, que um século depois da comemoração pela Copa do Brasil ainda não se desvencilhou do incômodo (ou não) Z-4, com apenas 13 pontos. Acho que alguém precisa avisar aos porcos que título da Copinha não garante ninguém na série A, e que Z-4 é um psicotrópico, no início pode ser por diversão, o problema está em se acostumar. 

Essa rodada pude ver 2 jogos na íntegra, Flamengo 2 X 0 Náutico e Bahia 0 X 1 Cruzeiro. O Flamengo venceu a segunda consecutiva e a fobia do Z-4 por hora foi esquecida. O time com Dorival no comando apresentou substancial evolução na organização, e a estréia de Cáceres deu um alento ao árido meio campo rubro-negro. O time da Gávea está em 9º com uma partida a menos. O outro jogo foi duro de assistir, e nem precisaria ver para saber como seria, o confronto fala por si só: Bahia X Celso Roth jogando fora de casa. Para dar ainda mais uma mãozinha à feiura do “espetáculo”, os mineiros abriram o placar logo cedo, então o jogo foi proibido para menores de 12 anos. O Bahia passou a partida inteira alçando bolas na área sem sucesso, enquanto Roth colocava suas 11 peças atrás da linha de meio-campo. A derrota baiana mantém aceso o sinal de alerta, o time do Bahia tem tudo para cair, a esperança é Souza no retorno continuar resolvendo. A equipe terá agora 2 confrontos fora, para depois fechar o turno em jogo de 6 pontos contra o atual lanterna na capital baiana.
Rafael Almeida é Economista pela UEFS e Mestrando em Ciências Sociais pela UFRB.

1 comentários:

14 de agosto de 2012 13:03 GSF disse...

Chega a ser engraçado o trecho "(...)a esperança é Souza (...)" rsrs


Por um lado o bom é que parece que ao final desse campeonato vamos ouvir aquela musiquinha do elevador tocando de novo... O lado triste é constatar que o regime de cotas baianas na série A do Brasileirão só permite um time.

Postar um comentário