Nem Sempre o Melhor Vence

|por Paulo Moraes|
O Futebol passa por um momento de Transição, estamos saindo de tempos Maquiavélicos, em que o Resultado bastava não importando que meios se utiliza para certo fim, para uma Nova Era de Ouro do Futebol, onde a Arte e a busca por um Resultado andam juntas e neste momento o Maior exemplo é o Barcelona. Foi esse enfrentamento que ocorreu em Belém pela primeira partida da Segunda fase da Copa do Brasil de 2012 entre Bahia e Remo. De um lado o toque de bola, do outro a Violência Gratuita; de um lado o objetivo de jogar bem, do outro a busca pura pelo Resultado.

Esse Confronto teria que ter outros ares, pois são duas Equipes Tradicionais de seus Estados, que representam a Força de suas Regiões e com Torcidas Belíssimas. Mas infelizmente o Ar pesado da Truculência do Futebol prevaleceu e com a anuência do Arbitro da Partida, o Amazonense Edmar Campos da Encarnação que além de inventar um Penalti aos 10 minutos do 1º tempos, não coibiu a violência praticada pelos Jogadores do Remo durante os 90 minutos.

O Primeiro tempo do Bahia foi quase perfeito, marcação adiantada, posse de bola, toque de bola e criando boas oportunidades de gol. Pelo lado Remista apesar de dois Meias não criaram nada e foram envolvidos pelo Bahia. Como já dito o Remo abriu o placar com as bênçãos Amazonenses, mas o Esquadrão não sentiu o golpe baixo e conseguiu o empate em bela jogada de Gabriel e finalização de Diones.

No Segundo tempo o Remo fez uma alteração chave que mudou o Ritmo do Bahia, tirou o Lateral Esquerdo e pôs um Zagueiro em seu lugar para descer a Bordoada em Gabriel, mas o Juizão fechou os olhos e apenas já perto do Fim amarelou o brucutu Remista. De outro lado o setor defensivo Tricolor desandou, onde os Volantes cansaram e Tite estava irreconhecível, além da péssima Partida de Gutierrez e num lance em que Fahel e Tite falharam; Magnum, na primeira chance real do Remo, fez 2x1. Antes disso o Bahia criara com Morais e Lulinhas duas ótimas chances, mas na hora da Finalização baixaram a cabeça e acertaram o Goleiro Adversário.

O Remo em outro erro do setor defensivo quase tomou o terceiro, mas Magnum chutou errado, o Remo foi isso os 90 minutos, três chutes e dois Gols, muita violência e nenhum Cartão vermelho. Falcão tentou mudar o jogo, mas a retranca estava bem armada e as entradas de Zé Roberto e Junior não mudaram o panorama do Jogo, apesar da Superioridade Tricolor.

Ao fim do jogo o Melhor não venceu, mas a Partida ainda não acabou. Temos mais 90 minutos em Pituaço dia 19 de abril sem Amazonenses com o apito na Mão e com muito Futebol para enfrentar o Maquiavelismo Futebolístico.

Paulo Moraes pai de Luisa, Socialista e Tricolor.

1 comentários:

15 de abril de 2012 02:10 Deusdete disse...

assisti com carismo a esse jogo e apesar de ser bahia achei o resultado justo. foi maravilhoso...
em se tratando de atuação no jogo gabriel teve destaque de ouro no bahia mas falando sério o que mais impressionou no estilo de jogo remista foi o mêia camisa 5 do time amazonense que também brilhou na armação e dasarme do meio do campo

Postar um comentário